O meu Blog

O Blog "Verba Volant, Scripta Manent" foi criado no âmbito de um exercício académico (Humanística Digital). Desde então, e por forma a dar alguma continuidade à experiência iniciada na blogosfera, mantém o objectivo de partilhar alguns textos pessoais (sob o habitual pseudónimo Troyka Manuel), bem como outros materiais literários de interesse pessoal.

Todos os comentários, sugestões ou críticas serão sempre bem-vindos!

Porque as palavras faladas voam... e a palavra poética, tantas vezes, fala por si... e permanece... sempre!

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Requiescat in Pace António Ramos Rosa

Honra ao poeta que hoje perdemos!
RIP - 23 de Setembro de 2013

Não Posso Adiar o Amor 

Não posso adiar o amor para outro século 
não posso 
ainda que o grito sufoque na garganta 
ainda que o ódio estale e crepite e arda 
sob montanhas cinzentas 
e montanhas cinzentas 

Não posso adiar este abraço 
que é uma arma de dois gumes 
amor e ódio 

Não posso adiar 
ainda que a noite pese séculos sobre as costas 
e a aurora indecisa demore 
não posso adiar para outro século a minha vida 
nem o meu amor 
nem o meu grito de libertação 

Não posso adiar o coração 

António Ramos Rosa, in "Viagem Através de uma Nebulosa"

"Não posso adiar o amor", dito por José-António Moreira


5 comentários:

  1. Homenagem necessária a um grande poeta! Obrigada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado também, pela leitura e comentário, Rosário! Beijos

      Eliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Fernanda Cardoso
    Um grande poema de um poeta maior..Adoro. Linda homenagem. O poeta parte, mas fica para sempre eternizado na sua obra. Lindo o teu gesto amigo. Beijo !

    ResponderEliminar
  4. Eterno na nossa poesia e coração*
    Dos mais belos poemas de amor da poesia portuguesa, Grata Amigo*

    ResponderEliminar